ARTIGOS

AIDS no Ceará: E as curvas que levam ao abandono do Tratamento.

Resistência e Mobilizações

06:42:54  03- 08- 2019

AIDS no Ceará: E as curvas que levam ao abandono do Tratamento.

O aumento de casos de Aids no estado vem preocupando bastante não só pelos números quanto pelo quadro dos diagnósticos Pessoas que descobrem o HIV que pelo descaso com que os gestores vem empurrando  a politica de Aids, as pessoas chegam doentes ao serviço de saúde, as ações tímidas  de Prevenção.  Quanto a falta de informação ainda é um dos fatores que causa o diagnóstico tardio.

A falta de um olhar cuidadoso por parte do governo do estado tem deixado o hospital São José distante de sua referencia, que pela superlotação não recebe novos casos, a estrutura física do ambulatório de HIV é a mesma de mais de vinte anos, Denuncias que chega a cada dia trás registro de pessoas que saírem do internamento o retorno a consultas tem se remarcado por três vezes deixando as Pessoas num total abandono, isto abala o estado psicológico, dificulta o acesso a medicação, o que pode retardar atendimento, Lei 12.984/2014, contribui com o aumento do grande numero de abandono do tratamento causando aumento da carga viral, adoecimento e morte.

 

A Atual gestão estadual não tem tido qualquer preocupação com tantas Curvas que leva ao abandono, se os governos do estado e municípios dão os braços, na corrida inaugurações de praças e obras que refletem e divulgam o estado e o município de fortaleza como “O Melhor dos Mundos” na corrida ao pleito de 2020, os hospitais do estado como os postos de saúde e SAEs de Fortaleza denuncia a multidão desassistida de saúde A Nossa população de HIV vem se encontrando com  o que tanto temíamos, atendimento na Atenção Básica de Fortaleza, o que até poderia ser uma “saída” desde que esta estivesse preparada para atender o que é algo muito distante, casos já nos chega de diagnóstico em 13/05 e a primeira consulta para 28/08 um tempo grande de mais de 90 dias, isto após uma maratona por vários serviços do município em busca de um atendimento para cuidar da infecção de HIV que pela demora no acesso ao serviço de saúde seu estado clinico explode, e junto a isto outro agravante a sua realidade social que pelo nosso conhecimento e acompanhamento nos permite dizer È o caminho de volta ao inicio da epidemia de 1980, não mais por falta de Medicamento antirretroviral que tanto avançou no brasil nas últimas décadas, mais neste caso tão somente pelo desastre e irresponsabilidade dos estados e municípios no que se refere a politica de Aids.

 

È Preciso que O Estado do Ceará e o município de  Fortaleza: através de suas secretarias SESA/SMS: e suas áreas técnicas o que restou dos programas, venha aos serviços conheça a realidade, produzam relatórios e apresentem aos seus gestores maiores o que desconhecem e não recebem e respondem o que é apresentado e denunciado pela sociedade civil e usuários dos serviços de Aids do Nosso estado, e busquem  trabalhar com outras secretarias para além da saúde sem o faz de conta que tem se transformado o nosso acompanhamento nos últimos tempos.

 

Em 2019, só nos seis primeiros meses do ano, já passamos por vários setores, da gestão, do legislativo, com Audiências públicas que se quer tivemos respostas do que foi apresentado além de vários registro na imprensa cearense e das redes sociais, e em todos esses lugares já denunciamos o descaso com as Pessoas que vivem com Aids  sem que o poder público tenha se manifestado com interesse em resolver tantos problemas.

Este momento é de resistência, convocação a População que vive com HIV a voltar a pressionar a gestão desde o palácio da abolição ao passo municipal e dizer para o governador e o prefeito que não se consegue desfrutar da beleza das praças sem Saúde, sem trabalho, sem tratamento, apenas com Antirretrovirais e Fome.

 

Vando Oliveira.

Cord. RNP+Ceará.

Rep. Regional RNP+Nordeste.

Deixe seu comentário

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios